Máquina de Costura

20140329-231802.jpg

Máquina de costura ou novelo de Elzinha

Uma máquina de costura que costurasse frases,
Que remendasse as sombras dos bichos.
Elzinha buscava no ocaso o modelo para suas vestes,
Cosia botões com cascas de laranjeiras em terno de andorinhas.
Em torno de uma casa de botão
Plantou jardim, cercou e conferiu endereçamento.
Em sua máquina de costurar reminiscências
Havia casulos de bichos de seda,
Que já forneciam linha para sua microempresa.
Quando chovia só dum lado da cidade,
Elzinha cerzia o tempo pras casas não desabotoarem…
Também remendava pétalas de rosas
Em hastes das carcomidas.
Muita gente procurava Elzinha
Pra costurar lembranças que se rasgaram com o tempo.
Euzébio ficava dias ouvindo o trintranar dagulha
E jurava que sentia a pele de seda da noiva morta lhe roçar o rosto.
Quando os bichos da seda se ausentavam,
Ela procurava os velhos cadernos de escola
E cerzia o mundo com linhas roubadas dos antigos garranchos.
Fazia horas extras criando roupas para as bonecas
Que eram muitas, dezesseis.
Mesmo na praça, na quitanda, na horta,
Arrastava nos pés a harmonia de sua máquina de costura:
Como monjolo pilando a vida.

Fregueses levavam-lhe cartas de amor para costurar palavras;
Porém, só não cerzia saudade porque lhe custava muita linha.
Cumulava a função de eletricista
Subindo em poste com o retrós
E restaurando com a linha onde o fio arrebentara.
Elzinha compilava cerrados e ventos
Por meio de suas linhas e agulhas.
À noite fazia a barra dos dias intoleráveis.
Emprestava as linhas dos postes
Pra dar luz aos seus inventos de pano.
Herdara a mania de cerzir diários
E, dias após dia, cosia-os
De modo que não se notavam
Os desvãos na linha do tempo.
Em suas engrenagens
Elzinha também fundira um alfabeto
Com retalhos de terra e porções de água
E ensinava renomeamentos pra vida
E juntava toda metafísica
Em torno de sua fita métrica,
Que era do tamanho do sonho.

Ricardo Flaiitt

Fotografia: Portobello Road, London, João Martins Pereira com iPhone

One response to “Máquina de Costura

  1. esse poema é uma obra prima!
    gostei. obrigada
    am

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s